Governo de Macri acredita que houve corrupção em processo de reparação de submarino

"Houve uma queixa de corrupção que foi arquivada sem investigação e deu conta de algumas anomalias que existiam".

Governo de Macri acredita que houve corrupção em processo de reparação de submarino

O Governo da Argentina assegurou hoje que, embora não haja "evidências claras", as "suspeitas" sugerem que houve "corrupção" no processo de reparação que ocorreu no submarino ARA San Juan, que desapareceu há 20 dias, durante a mandato de Cristina Fernández de Kirchner (2007-2015).

"Houve uma queixa de corrupção que foi arquivada sem investigação e deu conta de algumas anomalias que existiam, o que posso ver é que o navio teve que ser consertado em dois anos e atrasou cinco", disse o ministro da Defesa, Oscar Aguad, em entrevista ao canal TN.

Em sua primeira entrevista sobre o submarino no Atlântico Sul que desapareceu no dia 15 de novembro com 44 tripulantes a bordo, Aguad disse que há relatórios de auditoria que mostram que os materiais usados ​​durante o chamado "semi-vida" de reparação do navio, entre 2008 e 2014, não era "da qualidade exigida".

Além disso, há relatórios que indicam "outra série de anomalias, como sobretaxas", que terão que ser investigadas".

Embora não haja "evidências claras", há "suspeitas" de irregularidades, Aguad disse sobre o processo de manutenção do submarino desaparecido, que foi construído na Alemanha e incorporado à Marinha Argentina em 1985.



Notícias relacionadas