Venezuela: pelo menos 4 militares mortos em combate contra um “grupo irregular”

Soldados da Guarda Nacional Bolivariana foram emboscados durante uma operação em Atures, no estado venezuelano de Amazonas.

Venezuela: pelo menos 4 militares mortos em combate contra um “grupo irregular”

Pelo menos 4 membros da Guarda Nacional Bolivariana da Venezuela (GNB) morreram este domingo, e outros 10 ficaram feridos durante um confronto armado com um “grupo irregular” – de acordo com a imprensa local.

De acordo com a informação publicada no diário Últimas Noticias, de tendência pro-governo, os soldados da Guarda Nacional Bolivariana foram emboscados durante uma operação em Atures, no estado venezuelano de Amazonas no sul do país.

“O ataque aconteceu depois dos militares terem capturado o colombiano Luis Felipe Ortega Bernal, considerado o líder deste grupo paramilitar. Outras três pessoas foram também detidas, entre elas uma mulher que tinha na sua posse vários tipos de armas de fogo e granadas” – escreveu o jornal venezuelano.

Segundo alguma imprensa, Ortega Bernal é membro do Exército de Libertação Nacional da Colômbia (ELN).

Entre os mortos contam-se os sargentos Alfredo Antonio Zolano Guevara, Robert José Artahona Díaz e José Jean Pierre Martínez Bolívar, para além de outro militar que até agora não foi indentificado.

Os feridos nesta emboscada foram o tenente coronel Williams Bastidas, o capitão José Alexander García e ainda os sargentos Carlos Rivero Betancourt, Geraldo Rafael Tovar, Angelo Antonio Vargas Palenzuela (23), José Ricardo Tinedo Ramírez, José Cañizales Suárez (25) e Cristóbal José Rivero Oduver (32).

Segundo o partido Primero Justicia (PJ), do qual faz parte Henrique Capriles – duas vezes candidato à presidência da Venezuela – a atuação dos grupos paramilitares irregulares acontece “com a cumplicidade da ditadura de Nicolás Maduro, que não apenas lhes permite entrar em território venezuelano, como também lhes dá proteção”.



Notícias relacionadas