Comissão Nacional de Direitos Humanos denuncia o desaparecimento de camiões com migrantes

As autoridades mexicanas tomaram medidas cautelares para encontrar as pessoas desaparecidas e garantir a sua segurança.

Comissão Nacional de Direitos Humanos denuncia o desaparecimento de camiões com migrantes

A Comissão Nacional de Direitos Humanos do México (CNDH) informou que desapareceram 2 camiões transportando cerca de 80 pessoas, que faziam parte da caravana de migrantes que entrou no México no dia 19 de outubro, com destino aos Estados Unidos.

Em conferência de imprensa, Edgar Corzo – o responsável máximo da CNDH) – disse que as autoridades mexicanas tomaram medidas cautelares para encontrar as pessoas desaparecidas e garantir a sua segurança.

O desaparecimento dos migrantes pode ter acontecido no município de Isla, no estado de Veracruz. Corzo destacou que tanto os migrantes como as autoridades já tinham sido alertadas para o facto do “percurso ser relativamente complicado em termos de segurança", e que isso implicava riscos face ao crime organizado no México.

De acordo com o comunicado publicado pela Comissão Nacional de Direitos Humanos do México, “estão desaparecidos dois camiões e adotámos medidas de precaução para que as pessoas sejam encontradas e a sua integridade seja assegurada", disse o enviado especial da CNDH, Edgar Corzo, numa conferência de imprensa. Edgar Corzo informou ainda que uma pessoa já tinha denunciado a situação do desaparecimento das 80 pessoas a 19 de outubro.

Relativamente às medidas tomadas pelo governo mexicano e pelas autoridades perante esta emergência, Corzo afirmou que o México está mais empenhado na contenção do fenómeno das caravanas migrantes que seguem em direção aos Estados Unidos, do que na ass assistência humanitária a estas caravanas.

Relativamente à situação dos migrantes hospedados no acampamento na Cidade do México, instalado num estádio de futebol do complexo desportivo de Magdalena Mixhiuca, a CNDH disse que “existe desorganização e não estão asseguradas as condições mínimas de higiene e saúde”.



Notícias relacionadas