União Europeia vai criar organismo para contornar as sanções americanas ao Irão

A União Europeia vai criar uma entidade de forma a poder continuar a negociar com o Irão, especialmente para a compra de petróleo.

União Europeia vai criar organismo para contornar as sanções americanas ao Irão

O anúncio da criação de uma entidade especial para fazer negócios com o Irão, foi feito na segunda feira à margem da Assembleia Geral da ONU, que se realiza em Nova Iorque, pela Alta Representante da UE para a Política Externa e Segurança, Federica Mogherini.

A União Europeia vai criar uma entidade de forma a poder continuar a negociar com o Irão, especialmente para a compra de petróleo, para contornar as sanções impostas pelos Estados Unidos a Teerão.

"Os estados-membros da UE estabelecerão uma entidade legal, para facilitar transações financeiras legítimas com o Irão" - afirmou Federica Mogherini, após uma reunião entre o Irão e as cinco potências que continuam a apoiar o acordo (Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha).

Os ministros dos Negócios Estrangeiros desses países e do Irão, reiteraram na reunião a vontade em continuar com o acordo, apesar da retirada dos Estados Unidos.

Numa declaração conjunta lida por Mogherini e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Yavad Zarif, recordaram que Teerão demonstrou que continua a cumprir a sua parte do acordo nuclear. Os dois responsáveis deixaram claro que vão trabalhar para promover "negócios legítimos" com o Teerão.

"Conscientes da urgência e da necessidade de resultados tangíveis, os participantes deram boas-vindas a propostas práticas para manter e desenvolver meios de pagamento, especialmente a iniciativa de estabelecer um veículo especial para facilitar os pagamentos relacionados com as exportações iranianas, incluindo petróleo, e a suas importações ", afirmou.

Na semana passada, o responsável pela Organização de Energia Atómica do Irão, Ali Akbar Salehi, apelou à França, ao Reino Unido e à Alemanha, para que tomassem medidas concretas para salvar o acordo nuclear entre Teerão e as grandes potências mundiais.



Notícias relacionadas