Filhos de Khashoggi falam a um canal de televisão americano

“As pessoas pensam que nós temos respostas, mas infelizmente não temos” – afirmou um dos filhos de Khashoggi sobre o assassinato do seu pai.

Filhos de Khashoggi falam a um canal de televisão americano

Salah Khashoggi de 35 anos e o seu irmão Abdullah de 33, os dois filhos do jornalista saudita Jamal Khashoggi assassinado no Consulado Geral da Arábia Saudita em Istambul, falaram a um canal americano de televisão:

“Até nos entregarem o corpo do nosso pai, a nossa família não pode estar de luto e não podemos encerrar este assunto”.

As declarações dos filhos de Khashoggi foram feitas ao canal americano de notícias CNN.

Os irmãos Khashoggi recordaram o seu pai como sendo “um homem muito corajoso e genereso” e disseram que “até nos entregarem o corpo do nosso pai, a nossa família não pode estar de luto e não podemos encerrar este assunto”.

Salah Khashoggi, o filho mais velho, disse que “a única coisa que queremos agora é enterrar o nosso pai no Cemitério Al-Baqien em Medina, ao lados dos outros membros da família. Falei com os responsáveis sauditas, espero que isso possa acontecer o mais rapidamente possível”.

Salah disse ainda que a sua família continua a seguir os desenvolvimentos sobre o assassinato do seu país através da imprensa, e esclareceu que “as pessoas pensam que nós temos respostas, mas infelizmente não temos”.

O filho mais velho de Khashoggi disse que a intenção do seu pai era mudar-se de Washington para a Turquia, para estar mais perto dos seus filhos e netos.

Salah Khashaggi disse também que quer o mais rapidamente possível voltar ao seu trabalho num banco em Yeda e que a fotografia em que saudou o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Muhammed bin Salman, pouco depois da morte do seu pai, foi mal interpretada. Salah mostrou-se ainda esperançado relativamente ao resultado da investigação da morte do seu pai e epera que tudo seja apurado:

“O rei diz que todas as pessoas envolvidas neste caso serão entregues à justiça. Eu acredito nele.  É isso que vai acontecer”.

Abdullah Khashoggi, que vive nos Emirados Árabes Unidos, disse que veio até à Turquia para passar algum tempo com o seu pai e com a sua noiva, Hatice Cengiz: “o meu pai estava feliz. Para mim foi uma oportunidade para estar com ele. Passámos um bom bocado em Istambul. Fico feliz por tê-lo visto nos seus últimos dias”.

Abdullah acrescentou ainda que “espero que ele não tenha sofrido muito, que a sua morte tenha sido rápida e que tenha morrido em paz”.

O jornalista saudita Jamal Khashoggi desapareceu no dia 2 de outubro depois de entrar no Consulado Geral da Arábia Saudita em Istambul. Após 18 dias de forte pressão internacional, o governo saudita teve que reconhecer que Khashoggi foi morto no consulado.

Segundo a Procuradoria Geral de Istambul, “o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi estrangulado assim que entrou no consulado geral do seu país, de acordo com um plano premeditado antes da sua chegada. O seu corpo terá sido depois esquartejado, de acordo com o plano previamente definido”.



Notícias relacionadas