O NOVO BANCO CENTRAL

Recentemente, o Banco Central passou a aumentar a taxa de juros para diminuir a flutuação da moeda, ou seja, garantir a estabilidade dos preços.

O NOVO BANCO CENTRAL

Ecopolítica 18/2018

Recentemente, o Banco Central passou a aumentar a taxa de juros para diminuir a flutuação da moeda, ou seja, garantir a estabilidade dos preços. No entanto, deve-se considerar que este aumento da taxa de juros em favor da Economia Turca a longo prazo através da decisão inesperada do Banco Central pode gerar muitos resultados positivos como as metas de crescimento econômico, juntamente com a estabilidade dos preços.

Apresentamos a seguir a análise do Professor Dr. Erdal Tanas Karagöl, do Departamento de Economia da Faculdade de Ciências Políticas, da Universidade Yildirim Beyazit. 

O Banco Central surge como uma autoridade nacional independente que regula as políticas monetárias, o setor bancário e o sistema financeiro. A maior característica dos Bancos Centrais consiste na estabilizabilização da moeda nacional, prevenir o desemprego e evitar a inflação. Os Bancos Centrais do mundo geralmente são tratados como instituições independentes, a fim de garantir que estejam livres dos efeitos do poder político ao tomar decisões relativas à política monetária.

Levando em consideração a missão dos Bancos Centrais, a impressão de dinheiro e, consequentemente, a meta de inflação estão entre as tarefas mais importantes exercidas pelos mesmos. Além disso, observa-se também que os Bancos Centrais têm como alvo o crescimento e a taxa de desemprego. Em outras palavras, os Bancos Centrais têm como objetivo outros indicadores macroeconômicos, bem como baixa inflação, a fim de manter a estabilidade de preços. Especialmente durante os períodos em que vivencia-se a inflação dos custos, os Bancos Centrais aceitam essa taxa de inflação alta com o intuito de impedir que a economia entre em recessão.

Basicamente, na tomada de decisão a respeito das taxas de juros, nota-se que os bancos centrais têm como meta manter a inflação baixa e o crescimento econômico.

Os Bancos Centrais visam produzir políticas que respondam às necessidades da economia do país usando outros instrumentos além das ferramentas clássicas de política monetária. A expansão monetária é o melhor exemplo disso.

O Banco Central da República da Turquia deve ter também como meta nesse novo período que inicia, a manutenção da estabilidade dos preços e, consequentemente o crescimento econômico do país e as taxas de desemprego como um importante indicador macroeconômico.

A tolerância mostrada pelos Bancos Centrais às taxas de inflação varia de acordo com as metas estipuladas, bem como com outros objetivos que eles estabelecem. Por exemplo, levando-se em conta a inflação, o Banco Central da Inglaterra mostra-se mais tolerante à política monetária do que o Banco Central Europeu. Tanto a meta de inflação do Banco Central Europeu, como do Banco da Inglaterra é de 2%. Não obstante, permite-se um aumento ou uma redução de até um ponto na meta de inflação do Banco Central da Inglaterra.

Isso indica que o Banco Central Europeu está mantendo a meta de inflação à frente de outros indicadores. O Banco Central Europeu foi criticado por sua forte dependência das metas de inflação em detrimento do aumento do desemprego e por não apoiar o crescimento econômico. Por outro lado, o Banco Central da Inglaterra está buscando políticas mais tolerantes em relação à inflação para impedir que a economia do país entre em recessão.

Essa diferença entre o Banco Central Europeu e o Banco da Inglaterra também é observada nos bancos mundiais. Por exemplo, O Banco Central da Índia tem como objetivo estabilizar os preços, tomando em sua agenda o crescimento econômico. O Banco Central da África do Sul também tem como meta manter a estabilidade de preços para um "crescimento equilibrado e sustentável".

O Banco Central Canadense também visa apoiar o bem-estar econômico e financeiro do Canadá. Enquanto a prioridade do Banco Central do México não é estabilizar o poder de compra da moeda nacional, o Banco Central da Rússia objetiva aumentar o bem-estar econômico dos cidadãos russos.

Enquanto o Banco Central do Brasil também dá importância ao estabelecimento de mercados financeiros sólidos e eficazes; o principal objetivo do Banco Central da Argentina é combater à inflação tendo como meta alcançar o desenvolvimento econômico por meio da igualdade social.

Além da estabilidade de preços e as metas da inflação, os bancos centrais do mundo estão vislumbrando como objetivo, consequentemente, o crescimento econômico, as baixas taxas de desemprego, o alto poder aquisitivo da moeda nacional, o aumento da prosperidade dos cidadãos, a garantia de mercados financeiros sólidos e eficazes, o crescimento e o desenvolvimento sustentável. Em outras palavras, os Bancos Centrais aparecem na história do crescimento inclusivo e sustentável, estabelecendo como meta a estabilidade dos preços, e por conseguinte, alcançando também outros objetivos relacionados para a economia do país.

Esta foi a análise do Professor Dr. Erdal Tanas Karagöl, do Departamento de Economia da Faculdade de Ciências Políticas, da Universidade Yildirim Beyazit. 

 



Notícias relacionadas