A visita de Erdogan à Moldávia e os seus reflexos na política externa turca

O presidente da República da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, foi o primeiro presidente turco a visitar a Moldávia nos últimos 19 anos e passou o segundo dia da sua visita na região autónoma de Gagauzia.

A visita de Erdogan à Moldávia e os seus reflexos na política externa turca

O presidente da República da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, visitou a Moldávia e a região autónoma da Gagauzia, onde vivem os turcos gagauzes. No programa desta semana, vamos analisar esta visita e os seus reflexos na política externa turca, de acordo com a análise do Dr. Cemil Dogaç Ipek, catedrático do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Karatekin.

Recentemente, a região autónoma da Gagauzia na Moldávia, habitada por turcos, recebeu a visita histórica do presidente da República da Turquia, Recep Tayyip Erdogan. Esta foi a primeira visita de um presidente turco à Moldávia nos últimos 19 anos e incluiu uma passagem pela região autónoma da Gagauzia.

No dia 18 de outubro de 2 018, o presidente Erdogan viajou com o seu homólogo moldavo, Igor Dodon, até à capital da região autónoma da Gagauzia, Comrat. À sua chegada, foram recebidos por Irina Vlah, a presidente daquela região autónoma. Os turcos gagauzes também marcaram presença, recebendo o presidente da Turquia com bandeiras nas mãos.

Durante a sua passagem pela região, Erdogan inaugurou projetos de grande importância económica e cultural. As mensagens que transmitiu e os novos projetos que anunciou, sublinharam a importância da Turquia enquanto força na Moldávia, um pequeno país com uma política complicada, que fez parte da União Soviética.

No âmbito da sua visita a Comrat, a capital da região autónoma da Gagauzia, o presidente Erdogan inaugurou o centro de desenvolvimento de crianças, um hospital e uma creche, construídas pela Turquia. Erdogan inaugurou também a Casa de Cultura completamente renovada e em Ceadir-Lunga – considerada a capital cultural desta região autónoma – Erdogan inaugurou um Centro de Idosos.

Nos seus discursos na região, Erdogan partilhou informação sobre os projetos de infraestruturas que irão resolver os problemas de abastecimento de água em Vulkanesht, e disse que no próximo ano começará a construção de um grande complexo educativo em Comrat. Outra declaração importante do presidente turco foi o anúncio de que dentro de muito pouco tempo haverá um consulado da Turquia em Comrat.

O presidente Erdogan passou importantes mensagens aos gagauzes, uma sociedade turca cristã que recebeu com entusiasmo a sua visita. Das várias mensagens passadas, a que mais chamou a atenção foi relacionada com o idioma e a unidade. Erdogan disse aos gagauzes que devem aprender e usar da melhor forma o idioma oficial da Moldávia, o país onde vivem, mas apelou à proteção do seu próprio idioma. Este apelo surge num contexto negativo do uso do turco gagauz. Isto porque a região autónoma da Gagauzia (apesar das tentativas sinceras e do grande apoio da Turquia) se transformou numa zona em que quase não se pode falar o turco gagauz.

A região autónoma da Gagauzia é uma zona com 3 idiomas oficiais. Com a lei aprovada em 1 995, o turco gagauz, o moldavo e o russo passaram a ser os 3 idiomas oficiais da região. A população do território é composta por 82% de turcos gagauzes, mas o russo é a principal língua usada, sobretudo nas cidades. As aldeias continuam a falar a língua materna. A população de meia idade e idosa sabe falar turco gagauz, mas as crianças e os jovens praticamente não conhecem este idioma e falam muito pouco. O turco gagauz só sobrevive nas canções, nos contos, nas conversas entre adultos e em alguns pequenos orgãos de imprensa publicados com o apoio da Turquia.

Em dezembro de 1 991, a Turquia reconheceu a República da Moldávia, depois desta ter declarado a sua independência em agosto de 1 991. As relações diplomáticas entre os dois países foram estabelecidas a 3 de fevereiro de 1 992. O Tratado de Amizade e Colaboração, considerado como a base jurídica das relações com a Moldávia, foi assinado pelo então presidente turco Suleyman Demirel, durante a sua visita à Moldávia em junho de 1 994. E em 1 de novembro de 2 012 foi assinado entre os dois países o “Tratado Sobre a Isenção Mútua de Vistos”.

Recentemente, registou-se uma grande melhoria nas relações bilaterais, com muitas visitas de alto nível. A visita do presidente Erdogan da Turquia é muito importante neste sentido. Segundo os dados referentes a 2 016, as exportações da Turquia para a Moldávia foram de 189 milhões de dólares e a Turquia importou desse país 124 milhões de dólares. O volume comercial entre os dois países foi nesse ano de 313 milhões de dólares. O Tratado de Livre Comércio assinado entre a Turquia e a Moldávia entrou em vigor a 1 de novembro de 2 016.

A Turquia é o único país que dá ajudas sinceras e sem pedir nada em troca à região autónoma da Gagauzia. Esta é uma realidade conhecida por todo o mundo, que mostra pouco interesse por esta região. Através da TIKA, a instituição humanitária mais ativa na região, estão a ser dadas ajudas de larga escala à região autónoma da Gagauzia. O problema mais importante da Gagauzia é a falta de água potável, e foi resolvido com as ajudas da TIKA. A TIKA está presente em centenas de projetos, desde o reforço da infraestrutura de rádio e televisão da Gagauzia até à criação da Biblioteca Ataturk, passando também pelo apoio à Universidade de Comrat, constução de lares de idosos, reparação do edifício da Assembleia Pública, renovação de estádios e hospitais, bem como a construção de creches e escolas.

A Turquia dá todo este apoio sem nunca se intrometer nos assuntos interno da região autónoma da Gagauzia e da Moldávia. Pelo contrário, a Turquia quer ser um agente de estabilidade na região.

É neste contexto que devemos avaliar a frase do presidente Erdogan, proferida no seu discurso em Comrat: “A integridade territorial da Moldávia tem uma importância vital para nós”.

A Turquia não quer que a região autónoma da Gagauzia seja usada como ferramenta de combate, na luta de poderes entre a Rússia e o Ocidente pela Moldávia. Por outro lado, parece que a Moldávia olha para a Turquia como uma garantia de estabilidade na região autónoma da Gagauzia. Neste aspeto, é importante que o presidente Erdogan tenha repetido a importância da integração dos gagauzes na Moldávia, bem como a necessidade da integridade da Moldávia. O sublinhar desta importância pode ser considerado como uma mensagem tanto para os gagauzes – que correm o risco de se esquecerem do seu próprio idioma – como para os defensores da unificação da Moldávia com a Roménia (e aos que apoiam esta posição no Ocidente) e também para a Rússia, que não se abstém de usar todos os métodos de força e militares sobre os países que fizeram parte da União Soviética.

Em resumo, esta visita mostrou que a postura determinada e concreta do presidente Erdogan sobre a região é um caminho de saída e um elemento de equiíbrio, para os turcos cristãos que estão a ser pressionados pela Europa e pela Rússia. Por este motivo, podemos dizer que continuará a aumentar o apoio da Turquia aos turcos gagauzes nos próximos tempos.

Esta foi a opinião sobre este tema do Dr. Cemil Dogaç Ipek, catedrático do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Karatekin



Notícias relacionadas