As relações entre a Turquia e a República do Quirguistão

As relações diplomáticas entre os dois países começaram a 29 de Janeiro de 1 992. A análise do Dr. Cemil Dogaç Ipek, catedrático do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Karatekin.

As relações entre a Turquia e a República do Quirguistão

Continuam a desenvolver-se em várias áreas as relações entre a República da Turquia e a República do Quirguistão, um dos países chave da Ásia Central. No programa desta semana, vamos analisar as relações entre a Turquia e o Quirguistão e os seus reflexos na política externa da Turquia, de acordo com a análise do Dr. Cemil Dogaç Ipek.

A Turquia foi o primeiro país a reconhecer a independência da República do Quirguistão, a 16 de dezembro de 1 991. As relações diplomáticas entre os dois países começaram pouco depois, a 29 de Janeiro de 1 992. Nesse mesmo ano, foram abertas as embaixadas dos dois países em Bisqueque e em Ancara.

As relações atuais entre a Turquia e o Quirguistão são de parceria estratégica. Entre os dois países existem relações multidimensionais, nomeadamente ao nível político, económico, comercial, militar, cultural, de educação, transportes e saúde. Estas relações continuam a desenvolver-se, numa ampla base jurídica composta por mais de 200 tratados e protocolos.

Em 1 997, foi assinado pelos presidentes dos dois países o “Tratado de Amizade Eterna e Colaboração”. E em 1 999 foi publicado o documento “Turquia e Quirguistão: juntos no século XXI”. Em 2 011, foi assinada a “Declaração Comum sobre a Criação do Conselho de Colaboração Estratégica de Alto Nível”. Estes documentos são atualmente a base da associação estratégica entre os dois países, cujos presidentes fizeram até agora muitas visitas recíprocas de alto nível.

A Turquia tem projetos muito importantes no Quirguistão. O Hospital da Amizade turco-quirguiz, foi construído pela Agência Turca de Cooperação e Coordenação (TIKA, na sua sigla em turco) e é apenas um destes projetos. Neste âmbito, foi assinado um tratado entre a Turquia e o Quirguistão, para garantir a prestação de cuidados gratuitos a 100 doentes do Quirguistão. Este acordo permite que todos os anos doentes quirguizes recebam tratamento em várias instituições de saúde.

O Quirguistão e a Turquia têm uma instituição comum de ensino superior, a Universidade Manas. Esta universidade é um exemplo perfeito das relações próximas de irmandade entre os dois países. A Universidade Manas é a única com um campus ativo no Quirguistão. Todos os anos, é assignado um orçamento de 25 milhões de dólares para fazer face às necessidades da instituição e garantir uma educação de qualidade aos seus estudantes. Além disso, os estudantes que vêm de várias universidades da Turquia até ao Quirquistão através de vários programas de bolsas, tanto para obterem as suas licenciaturas como para fazerem mestrados, têm aqui a oportunidade de receber educação gratuita. Os projetos da TIKA no Quirguistão desenvolvem-se em várias áreas. Outro exemplo é a Mesquita Central de Bisqueque, que abriu há pouco tempo e foi uma oferta da Turquia ao Quirguistão. A cerimónia de inauguração,  contou com a participação do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.  

Atualmente, o volume comercial entre a Turquia e o Quirguistão é de aproximadamente 400 milhões de dólares. Mas este número não reflete o potencial dos dois países. Para os próximos tempos, o objetivo é fazer subir o volume comercial para os mil milhões de dólares. No último ano, o volume comercial entre os dois países aumentou 26,7%. Ambos os países dão uma grande importância à colaboração nas áreas do comércio, investimento e espírito empreendedor.

Sooronbay Ceenbekov, que foi eleito presidente do Quirguistão depois da sua vitória nas eleições presidenciais realizadas a 15 de outubro de 2 017, fez vários discursos em que colocou o ênfase na importância das relações com a Turquia. Depois de assumir a presidência do Quirguistão, Ceenbekov disse que continuaria a proteger os interesses do seu país na política externa e afirmou que “vamos fortalecer as nossas relações estratégicas com a Federação Russa. Vamos aprofundar as nossas relações com a nossa vizinha China. Vamos desenvolver as nossas relações em direção às nossas ligações históricas com os países vizinhos na Ásia. Continuaremos a estabelecer relações próximas com os países comunitários. Vamos desenvolver a nossa colaboração com a Turquia e com os Estados Unidos”.

Em paralelo com a adesão à União Económica da Eurásia, podemos dizer que o Quirguistão não tem a intenção de mudar a sua orientação geopolítica no seu processo político, que vive maioritariamente na órbita política e económica da Rússia.

As emendas constitucionais feitas no Quirguistão limitam-se à capacidade do parlamento em definir a orientação da presidência relativamente às áreas do comércio e defesa, bem como em questões de política externa. Esta situação limita a capacidade de Ceenbekov para mudar a política externa do país de forma radical, cujas orientações foram definidas nos 6 anos anteriores durante a presidência de Atambayev. Mas podemos dizer que as relações com a Turquia são agora melhores do que no passado.

Atualmente, as repúblicas de origem turca na Turquia e na Ásia Central desenvolvem a sua colaboração em termos de política externa. O motivo básico desta situação é o facto de todos partilharem o mesmo idioma e terem a mesma cultura. O grande autor quirguiz Chinguiz Aitmatov disse que “neste mundo em mudança, de acordo com as lei sagrada, tudo se vai embora e morre. A única coisa que não morre é a cultura”. Na realidade, esta frase do sábio autor contém informação que vale por muitas páginas. Isto porque um dos elementos mais importantes que mantém as nações de pé, é a sua cultura. Neste campo também se vivem relações estreitas entre a Turquia e o Quirguistão. Nas relações bilaterais, a cultura e a educação são sempre a parte principal da agenda.

Atualmente, a Turquia dá importância à continuação do desenvolvimento e da estabilidade do Quirguistão, que está a passar por uma transformação democrática na região da Ásia Central. Neste âmbito, desde o início do processo de transformação política e institucional, a Turquia dá apoio ao Quirguistão a todos os níveis. Por outro lado, sabe-se que a Organização Terrorista Gulenista (FETO) tem uma forte estrutura no Quirguistão. Nesta questão, e para que as relações entre os dois países possam avançar para um nível superior, seria benéfico que o Quirguistão desse os passos jurídicos necessários no âmbito da luta contra o terrorismo.

Esta foi a opinião sobre este assunto do Dr. Cemil Dogaç Ipek, catedrático do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Karatekin


Etiquetas: TIKA , Quirguistão , Turquia

Notícias relacionadas